Dancing on the kitchen tiles

terça-feira, 28 de abril de 2009

intertextualidade?

Eis que leio no jornal: Menino morre atropelado. Um menino, apenas sete anos, estudante, favelado, morreu atropelado, e o motorista fugiu sem prestar socorro. O corpo continuou no local, esperando pela perícia, o corpo do menino que morreu atropelado.

Morreu atropelado. O carro o atingiu em cheio, quando atravessava a rua. Chamaram a ambulância, mas quando chegou ao local, já não respirava mais o menino. O menino morreu atropelado.

Um menino morreu atropelado. A testemunha (um menino) afirmou que a fatalidade (o atropelamento) ocorrera pela manhã, por volta das sete e meia, pouco antes do sinal da escola tocar. E o menino morreu atropelado.

Um menino, era criança pálida. Criança franzina. Menino magro, de muito peso não era. Mesmo assim, era belo como um coqueiro, ou como o caderno novo quando a gente o principia. Trazia um caderno debaixo do braço, para ir estudar, seu sonho era ser professor. Mas o sonho foi interrompido, quando morreu, atropelado.

Estava usando o uniforme da escola, quando morreu atropelado. Era menino pobre, de favela, mas era menino bom. Bom porque queria algo mais, não queria roubar, não queria matar, queria viver, queria ser bom. Era bom porque corrompia com sangue novo a anemia, infeccionava a miséria com vida nova e sadia. Mas morreu, atropelado, coitado.

O assassino fugiu. Ninguém viu. E ficou ali, no chão, o menino, atropelado. Não é culpa de ninguém. A falta de policiamento? De quem é a culpa? De ninguém. Alguns passantes pararam para lamentar, alguns comentavam: O que aconteceu? Morreu atropelado o menino! Deixaram o menino na rua, morto. Deixaram o corpo, até que alguém viesse buscar, alguém que se responsabilizasse, e o menino foi morrendo, morreu. E o pobre garoto, naquela ruela, morreu atropelado.

O menino, que morreu atropelado, era pobre. Criança. Pouco vestido, apesar do frio. Frágil. Ágil. Novo. Moleque da vila. Menino favelado. Morreu, um carro passou por cima, deu. Morreu atropelado.

E pela manhã de terça, ao atravessar a rua defronte à escola, na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, um menino morreu atropelado.

(creditos ao tio Sabino e ao tio Cabral :D)

1 Comentários:

Blogger Caqui disse...

tu tem alguma obstinação por gente com 7 anos de idade?
\o
bom, ambíguo, e bom haha :)

29 de maio de 2009 17:53  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial